13/03/13

O problema do excesso de informação ou o encontro azarado com uma médica insensível

Esperámos mais de uma hora em silêncio. Tu dormitavas, ocasionalmente agitado por uma dor ou um grito de um dos outros miúdos, enquanto te fazia festinhas tranquilizadoras na mão. Esperámos por análises pedidas por uma médica insensível, que conseguiu plantar um medo horrível nos meus ouvidos de mãe. Noutros ouvidos, as mesmas palavras não teriam efeito qualquer. A maior parte das pessoas tem a sorte de não saber coisas horríveis sobre doenças horríveis.
Uma hora das nossas vidas que perdi em silêncio com um medo horrível de te perder. No final, não é nada de especial, só uma segunda volta de vírus, quase-quase a passar. Um outro médico, mais humano e esperto, apressou-se a vir dizer-me à sala de espera: "está tudo bem com as análises, mãe".
Que médica estúpida.

8 comentários:

diasdetelha disse...

Esses médicos deixam-me doida. Parece que desligaram e em vez de doentes só vêem números e diagnósticos. São péssimos médicos, mesmo que sejam tecnicamente muito bons.

(ainda bem que não é nada)

Joana A disse...

Obrigada, é isso mesmo. Bem vinda

Sónia disse...

"Ráis´partam" esses estupores!
Vai passar!

Um abraço apertadinho amiga

Joana A disse...

Já te passaram os tremeliques? Bjs

C. disse...

Tadinha Joana. Que aperto.

Médicos assim mereciam umas verdades na cara e em frente de todos. Mas na altura temos um bolo na garganta e mil pensamentos em ebulição.

Já passou...

Mas ao ler o teu post revivi momentos idênticos de espera. É horrível. E custa a sair da memória!

Mas já era e hoje está um sol deslumbrante!

Muitos bjs

Caty

Joana A disse...

Acabamos todos por sentir o mesmo em situações idênticas, mas, na altura, é uma sensação de solidão avassaladora. bjs

Maria disse...

Há realmente pessoas muito estúpidas, insensíveis...já passei por umas poucas situações desse tipo com médicos e com enfermeiros....respiro fuuuuundo e tento não me irritar. Fco feliz por não ser nada, fico mesmo! As melhoras!

Joana A disse...

Obrigada, já está tudo bom. Gripinha chata.