27/07/13

Como proteger o telefone na praia

Barato e eficiente. Foleiro, vá. Embrulhar o telefone em película aderente. Dá para falar, dá para usar. Fica foleiro, mas o telefone não se estraga com a areia. E isso é fixe.

24/07/13

Não estranhem o meu assobio

Uma vez um queque da Figueira da Foz ficou muito chocado ao perceber que eu sabia assobiar. Eu fiquei chocada por ele ficar chocado, por isso ficámos quites.
Saber assobiar é das ferramentas mais práticas que tenho. Dá jeito para avisar, para chamar. Os meus filhos e o meu marido distinguem o meu assobio em qualquer parte do mundo - o que, convenhamos, dá um jeitaço. O miúdo quis (e conseguiu) aprender a assobiar como eu e já sabe fazê-lo com muito mais perícia, porque tem vários modelos, com dedos ou sem dedos.
Hoje, o DN diz que os golfinhos têm nomes em tom de assobios, que se chamam pelo nome. É o mesmo que eu faço com os meus filhos.

Chá e scones

Estou encantada com os chás Tetley em cápsulas para usar na máquina Delta da minha mãe. São deliciosos, ficam prontos em 20 segundos e não ficam a ferver como os outros chás do mundo. Na página da Tetley, ainda por cima, servem cookies.
E toda a gente que sabe que com chá vai sempre bem uma cookie. Ou isso ou scones.

Por falar nisso, tenho uma receita nova de scones para experimentar, que me parece super simples:

400 grs. de farinha com fermento
240 grs. de natas
250 ml. de Sprite
2 c.s. leite

Aquecer o forno a 220º. Misturar a farinha, as natas e a Sprite. Espalmar a massa a uma altura de 2 cms. Cortar os scones com um corta-bolachas e pincelar com o leite. Levar ao forno cerca de 15 mns.

Se alguém fizer, partilhem comigo, please.

22/07/13

Constatação do dia

Este Verão anda a ser muito fraquinho em tomates daqueles com sol. O que é verdadeiramente lamentável.

Com este sol de estalar cabeças...

... fui ao Amoreiras com o objectivo de trocar o relógio do miúdo, que meteu água. Levava o relógio no pulso para não me esquecer. Fiz mil outras coisas. Cheguei ao trabalho com o relógio no pulso.

As ervas aromáticas

Acho que são as únicas plantas de que consigo tratar bem. Também não exigem grande perícia - água num vaso e o vaso da planta dentro desse vaso. E, se por azar, se finarem, são de fácil e barata sustituição. 
Costumo comprar em vasinhos no Pingo Doce - é sempre mais barato do que comprar as embalagens de ervas cortadas, que acabam por se estragar rapidamente.
Já tive muitas variedades, mas as que valem mesmo a pena na minha cozinha são o manjericão, a hortelã e o alecrim. Têm sempre uso.
Tenho, no entanto, um pequeno problema. As plantas prosperam, com este tratamento de muita água e sol, crescem imenso e eu não sei podá-las caso fiquem desmesuradamente grandes. Quanto ao manjericão, sei que não deve ter planta senão morre.
Assim, evito mexer-lhes muito (uma coisa do estilo do que fazia com as borrachinhas de cheiro dos anos 80, que não usava para não se estragarem...). Descobri que os miúdos são excelentes para isto - vão, apanham as ervas de eu preciso, gostam de ficar a cheirar a ervinhas e ficam todos orgulhosos de ajudar.
A minha sobrinha mais velha fez ontem o jantar quase todo sozinha - risotto de cogumelos e massa com atum para os miúdos. E fartou-se de usar ervas. Fazem mesmo a diferença!

21/07/13

17/07/13

Coisas mágicas que me acontecem

- Um saco vermelho às bolas brancas - a coisa mais linda que já vi - logo pela manhã, entregue pela vizinha mãos-largas da frente.
- Uma amiga que telefona no momento em que estou a pensar nela - right on!
- Umas senhoras da Wink que passam a manhã na redacção aqui ao lado a fazer aquilo que fazem tão bem - sobrancelhas - que queridas!

1 maneira (barata) de afastar os mosquitos de nós

Uma ventoinha, diz o NYTimes.

Sem comentários

Diz o Jornal de Notícias.

5 razões para os mosquitos gostarem + de nós

As razões para os mosquitos nos preferirem em vez do vizinho do lado, que exibe orgulhoso pernas e braços mosquito free são:

1. bebida
2. exercício
3. tipo de sangue (O)
4. ser homem (ah ah ah)
5. estar grávida (meio incoerente com a de cima, mas ok)

Querem saber porquê?

Estilo da era Vitoriana, mas na Namíbia

A ocupação alemã da Namíbia no século XIX deixou algumas coisas para trás, nomeadamente umas roupas super estilosas. Vale a pena ver.

Eu acho que tenho algo de Vitoriano em mim (não sei se era de todos aqueles criados para engomar a roupa e servir limonadas no jardim, se dos longos passeios de charrete...), por isso acho esta história linda.
via death and taxes.

16/07/13

Um passeio no Amoreiras

Os passeios à hora de almoço dão-me pano para mangas. São uma daquelas situações em que gostava de ter um teclado ligado à minha frente para poder escrever logo o que vejo. Muita observação, das montras e das pessoas.
Hoje ao entrar no Amoreiras cruzei-me com um senhor muito parecido com o Walter, o amigo do Crocodile Dundee, lembram-se dele? Gostei imenso dos filmes. Este ainda estava um nível à frente no aprumo. Achei-lhe muita piada.

À saída, vim atrás de uma senhora com uns saltos incrivelmente altos, nuns sapatos com ar de drag queen e as unhas pintadas de azul elétrico. A subir uns degraus perdeu o calço do sapato e continuou a andar como se não fosse nada, toc, toc, toc nas pedras do passeio, mas só um dos sapatos é que fazia toc, o outro fazia o tuc normal. Lá lhe disse para voltar atrás e vim trabalhar.

12/07/13

A pergunta do dia

Porque é que os betos, os mesmo betos, têm todos filhos loiros, mesmo quando são morenos?
Será alguma vitamina que as grávidas betas tomam?

11/07/13

Mais uma do estilo dos dois euros no parquímetro

Ontem, à hora do almoço, usei o meu cartão Multibanco no Amoreiras Plaza.
Hoje, à hora do almoço, apercebi-me de que não tinha o cartão comigo.

(Atenção que eu sou uma pessoa que nunca - e nunca é nunca mesmo, não é só às vezes - me esqueço de nada. Não perco as chaves do carro, não perco o carro, não perco camisolas, não perco o telefone, não perco nada.)

Está lá à minha espera. Que sorte!

It's karma, bitch.

Enquanto as crianças brincam à política

A Apple Store - por causa de fazer cinco anos - está a oferecer montes de app previamente pagas. Estou, neste momento, a estrear a "How to cook everything", de um dos meus gurus culinários, Mark Bittman, especialista de comida do NYTimes. Há dias de sorte.

Orgulho de mãe

O meu filho acaba de me dar dez euros.
"Também quero ajudar a bebé, mãe."

09/07/13

Afinal a nostalgia é uma coisa boa

Podemos sentir e usar a nostalgia, porque parece que até faz bem, ao contrário do que é comum pensar. Permite-nos dar uma continuidade à vida, uma sensação de pertença. Diz o NYTimes.

08/07/13

Monday madness

Primeiro dia no novo registo Verão. Acordar às 6h30, tomar banho de água fria, vestir. Tirar o verniz das unhas às escuras - não é uma boa ideia, é o melhor que posso dizer. But then again, talvez lance a moda de unhas salpicadas...
Às 6h30 está fresco, há um ventinho agradável, vá uma brisa. Lisboa simpaticamente vazia. Um cafezinho em francês, um passeio e depois trabalhar.
Que maneira fixe de começar o dia.

Uma maneira querida de começar o dia

Encontrar dois euros no parquímetro.

(Serão devolvidos a quem provar que eram seus).